RIOS DE VIDA

   

WEB RADIO RIOS DE VIDA

quarta-feira, 3 de maio de 2017

“Não precisamos roubar ninguém”, diz pastor investigado pelo MP por corrupção

O apóstolo Fadi Faraj, líder da igreja Ministério da Fé, usou o púlpito na noite de domingo,
para se defender das acusações de integrar um esquema de corrupção ao lado da irmã, a pastora e deputada distrital Sandra Faraj (SD).
Eles são investigados pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), na Operação Heméra (deusa da mentira, em grego). A deputada é investigada por supostamente ter embolsado R$ 150 mil da verba indenizatória da Câmara Legislativa. Além disso, há denúncias de que os comissionados eram obrigados a devolver parte do salário. click

O templo da igreja foi alvo de mandados de busca e apreensão no último dia 27. Na ocasião, foi retirado um cofre com reais e dólares.
Atualmente, indica o Metrópoles, Fadi e Sandra Faraj são investigados por corrupção, falsidade ideológica e uso de documento falso, além de coação de testemunhas no curso do processo.
Os dois são investigados por uso irregular de verba indenizatória e pela suposta cobrança de parte dos salários de servidores comissionados nomeados pela parlamentar, ou por indicação dela e do irmão, na estrutura do GDF e da Câmara Legislativa. Caso sejam considerados culpados, as penas podem ultrapassar 20 anos de reclusão e a deputada poderia o cargo.
Ambos negam as acusações.
Nossa fonte é o Senhor
Durante o culto de domingo, o pastor foi enfático enquanto anunciava o momento de entrega dos dízimos e ofertas: “Nós não precisamos roubar ninguém… Sabe qual é a nossa fonte? É o Senhor. Nós não precisamos roubar ninguém, não precisamos tirar nada de ninguém porque o Senhor que é a nossa fonte, a nossa provisão. Aleluia. Então levantem, em nome de Jesus”.
Na sede da Igreja Ministério da Fé, em Taguatinga, diversos pastores mostravam cartazes com dizeres em apoio ao apóstolo, a Sandra e à congregação.
Segundo um fiel, desde o escândalo envolvendo os irmãos Faraj, os cultos têm menos gente.

Postar um comentário